Mãe de atirador fala que a vida dela não existe mais
Mãe de atirador nunca desconfiou que o filho pudesse agir assim

Mãe de atirador de Suzano chora e diz que a vida dela acabou

A mãe do atirador Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos, revelou que está totalmente decepcionada com tudo. Tatiana Taucci, de 35 anos,  afirmou que não compreende o motivo do filho agir daquele jeito. Segundo ela, em decorrência de sua luta contra a dependência química, ela fica muito tempo na rua e acabou ficando distante do filho. Guilherme e Luiz Henrique Castro, de 25 anos, entraram armados na Escola Estadual Raul Brasil e acabaram matando vários alunos e funcionários. Foi um verdadeiro massacre. Um crime de grande repúdio e que repercutiu até fora do país. De acordo com a polícia, os dois cometeram suicídio.

Familiares do garoto estão surpreendidos com a ação dele. Ninguém desconfiava de nada. A mãe revelou que não conversava muito com ele, entretanto,  nunca teve nenhum problema sério com o filho. Ela falou que ele era muito viciado em jogos de videogame. Em uma declaração à Folha de S.Paulo, a mãe dele disse que a vida dela acabou: “perdi meu filho e meu irmão”. Vale ressaltar que Guilherme, antes de ir à escola, passou no comércio do seu tio e atirou contra ele. O homem não sobreviveu.

O avô, Benedito Luiz Cardoso,  chegou a dizer na frente da mãe que ela não ligava muito para o filho. No entanto, foi repreendido por ela: “agora a culpa é minha?”.

Depressão

Pelo que contam amigos, vizinhos  e a própria família, Guilherme era muito deprimido. Ele teria ficado muito mal com a morte de sua avó, Arlete Taucci. A tia suspeita que ele tenha caído em depressão.

Antes de sair para cometer o crime, Guilherme queimou uma foto e jogou no chão do seu quarto. A foto era de sua mãe e seu pai juntos, disse Tatiana.

Ele também teria saído da escola, em 2018, porque era muito zoado em razão de ter espinhas no rosto. No caso, ele sofria constantes bullyings.

O avô lembrou dos últimos momentos ao lado do neto. Ele fez uma comida que o garoto gostava: arroz, feijão e hambúrguer. A família está muito triste. Em suma, ninguém compreende o que aconteceu. Porquanto, resta aguardar as investigações para saber o motivo real do crime.

O governador João Doria autorizou uma indenização para as famílias vítimas. Em síntese, o governador disse que nunca viu algo tão triste igual essas cenas. Ele esteve no local e viu o horror que aconteceu na escola.

 

Editor e redator do Brasil no Ato

Nasceu em 06 de julho de 1980.

Graduado em Administração de Empresas pela FSA (Fundação Santo André-SP).

Juliano é colaborador do site Blasting News e Blasting Pop e formado em SEO pelo Senac.

 

e-mail: julianocari@hotmail.com

Telefone: (11) 9 7506 4202

Comentários: 0

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *